sábado, 15 de maio de 2010

o macho-verdade-excessiva



uma mostra da verdade divertida e dolorosa.

sempre penso a respeito de como seriam os relacionamentos se estes fossem colados pela sinceridade externada das pessoas, principalmente em momentos de não-conveniência-aparente. é um momento prazeroso pra mim (mesmo quando sou o alvo), o de ver a genial reação das pessoas encarando a verdade, rara, e por isso catalizadora, que constrói em instantes um sentimento de inutilidade incrível.

perdemos tempo demais falando demais. as palavras perdem o impacto, tornam o elogio menos potencialmente sexual e o apontar do defeito menos trágico. a tendência é piorar: o distanciamento só cresce entre as pessoas, impulsionando o blá blá blá sem fim das mentiras, estas que facilitam a aproximação de quem você gosta. é mais cômodo, simples, menos caótico. é o mesmo que, num dia frio, assistir almodóvar tomando jack daniel's e depois ouvir tom waits até amanhecer.

se eu conseguisse ser o mve - macho-verdade-excessiva - seria mais feliz e me consideraria um ser mais evoluído. pena que tenho (ainda) alguma imagem (cof cof) a zelar. mais pelos outros, creio... ok, ok, eu sei que que toda preocupação no outro é uma preocupação em si mesmo, então fingir um pouco não faz mal.



vou exercitar aqui esse meu almejado estado-constante-de-comportamento. situações, principalmente com o sexo oposto (o que torna tudo mais divertido), não me faltam na minha frágil memória:

no bar, dia desses

o que aconteceu
ela: ah, você ficou a noite toda olhando para as outras mulheres...
eu: que nada, te olhei desde que cheguei aqui, mas disfarcei para você não notar.

versão mve
ela: ah, você ficou a noite toda olhando para as outras mulheres...
eu: é, na verdade foi isso mesmo. como eu vi que não ia comer nenhuma dessas gringas maravilhosas, apelei para você, que já estava aqui na mesa com meu amigo. mas podemos transar mesmo assim ou vai fazer docinho?

no msn, com uma mulher qualquer

o que aconteceu
eu: mas e aí, gosta de sair pra onde aqui?
ela: não gosto de sair à noite, fico mais em casa mesmo.
eu: entendi, então é uma mulher caseira, que bom ;)

versão mve
eu: mas e aí, gosta de sair pra onde aqui?
ela: não gosto de sair à noite, fico mais em casa mesmo.
eu: entendi, mas ainda tenho uma dúvida: você fica em casa porque passa a madrugada fudendo com teu namorado ou porque quer dar uma de santa mesmo? só para informar, não gosto muito de santas, então acho que pode rolar algo entre a gente.

no msn, com uma menina sem graça (uma quase mulher-calcinha-bege)

o que aconteceu
ela: oooi, novidades?
eu: opa! tudo caminhando...

versão mve
ela: oooi, novidades?
eu: porra! não, não tem novidades. você deveria ser mais criativa e, no mínimo, vir falar comigo só quando tivesse algo interessante para compartilhar, já que eu não consigo ter novidades todo santo dia só pra preencher essa sua pergunta idiota. entenda: eu bebo em casa e bares em alguns dias da semana, caminho às 6h da manhã em alguns dias da semana, vejo filmes e séries de tv em alguns dias da semana e leio uns livros em alguns dias da semana... então, você poderia acompanhar a frequencia e fazer o mesmo: em alguns dias da semana, mude a porcaria dessa pergunta para ela não me entediar, ok?

no msn, com uma amiga que não vejo há anos

o que aconteceu
eu: e aê menina, tudo bem? vi suas fotos no orkut, estás bem bonita, hein? ;)
eu: ah, obrigada ;)

versão mve
eu: eu vi suas fotos no orkut dia desses e te achei muito gostosa, mesmo depois do parto. deve ter ficado várias horas na academia, executado exercícios na piscina e tudo o mais para não se sentir depressiva depois dele, né? ah, essa noite eu sonhei com você, não sei como, mas eu te beijava e a gente meio que estava num relacionamento e você me traía com fulano, que estudou com a gente no primeiro ano, lembra dele? é, isso não faz muito sentido mesmo, mas ainda assim quero transar com você, caso esteja interessada.
ela: {timeout}

no telefone, com uma mulher que vive de ilusões

o que aconteceu
eu: bateu umas saudades de você! estou te ligando pra saber se gostaria de ver um filme aqui em casa hoje. aceita o convite?
ela: aceito!

versão mve
eu: estou te ligando, pois faz um certo tempo que eu não transo e acho que você poderia me dar um pouco de prazer facilmente por alguns minutos. se você for embora, de táxi, logo depois de eu gozar, será perfeito e ficarei te devendo uma. estou inventando essa desculpa de filminho e tal para você me olhar como um homem romântico e ajudar no aceite do convite. sei que é clichê essa de ver filme, mas eu estou meio liso e não gostaria de ser visto em público ao seu lado... às vezes você se veste muito vadiamente e, digamos, és bem burrinha.
ela: aceito!

as palavras aqui escritas representam um agradecimento ao aumento da verdade no meu dia-a-dia, graças a alan shore:


2 comentários:

Patricia disse...

haha muito massa.
eu me inspirei em ser mais sincera vendo o Super Sincero um dia no youtube, ja viu?

Priscila disse...

hahahahaha to adorando seu blog, Leo! hahaha muito massa! O lance de ser sincero eh bom quando vc quer ligar o foda-se. Pena que nao da pra ser sincero sempre como vc bem disse. :( Acho que quando eu ficar velha e nao tiver mais nada a perder, vou virar a super sincera.