quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

o espaço entre o gostar e o divulgar



sempre em que estou em algum relacionamento - rotulado "namoro" - todos me cobram: "ei, você parece que nem tá namorando com ela, nem demonstra nada na frente dos outros". esse é um ponto de vista interessante e bem padrão. aliás, para relacionamentos do tipo, todos sempre têm muitas, muitas, muitas regras para aplicar. é algo engraçado. então, essa cobrança sempre surge, não só pelos amigos, mas principalmente pela tal mulher. fico imaginando o sentido | objetivo de demonstrar - publicamente - o que você sente pela outra pessoa. é muita insegurança, não?

eu sempre vou pelo lado oposto: quanto mais sinto que a outra faz parte de mim, mais desejo ficar somente em silêncio ao lado dela. só o fato de estar próximo já me apetece de forma quase completa, deixando para depois: o sexo, as conversas bestas, as bebedeiras e os planos inúteis para um futuro incerto.

e é justamente nesse futuro incerto que a coisa pega: é nele que se concentra o maior desejo de todos, aquela necessidade imensa de apresentar como será o seu gostar daqui a alguns meses, anos, décadas. essa regra de projetar os relacionamentos como se eles tivessem que ser eternos é um saco, hein? sem esquecer de que caso você pense o contrário, já torna-se automaticamente o "abominável-homem-insensível-e-derivados-da-neve".

penso igual ao mestre denny crane (!): "i don't live for tomorrow. never saw the fun in it."

6 comentários:

Sergio Aires disse...

Não sejamos radicais quando o assunto é viver a vida. Ela é tão incerta pra gente tomar decisões sobre como vivê-la que fica parecendo que ela é fácil.

Viva intensamente, mas escolha uma mulher pra você ficar imaginando ter filhos, nem que seja só pra alimentar sua imaginação mesmo, por mais que você não precise disso.

Mas, concordo com a parte inicial do texto =P

la increible aventura disse...

o fato de eu não querer me preocupar tanto assim com o futuro não implica que eu não queira ter filhos nem estabelecer algo mais "sólido" com alguém. a questão é só que isso não pode ocupar todo ou muito tempo do meu dia, pois é isso que a maioria das pessoas fazem: vivem mais o cenário em que gostariam de estar do que o atual. isso serve para diversão - como tantas vezes nos divertimos discutindo isso em nossa cozinha, na companhia de uma lata de atum e pão de ontem - mas não pode ser levado tão a sério assim.

animal oportunista disse...

Eu acho que assim, o Serginho pode imaginar a vontade e você não... Mas vale a pena ceder às vezes, pra ele também não se desiludir toda vez que você for um ogro insensível. Nenhuma relação vai pra frente se um dos lados não ceder. Vocês são um casal lindo e devem lutar um pelo outro.

la increible aventura disse...

estamos lutando maia, até pensamos em terapia de casal.

lalafernandes disse...

Para as mulheres, a demonstração de afeto é essencial. Isso não quer dizer que é para mostrar para o mundo que vocês estão juntos. É uma coisa do casal mesmo.

Agora a pergunta é a seguinte: você não demonstra em público porque não tem vontade mesmo e gosta de deixar isso para momentos a dois? Ou você se pega, as vezes, segurando um possível abraço ou beijo só para não fazê-lo na frente dos outros por vergonha ou outra coisa mais?

Free yourself! Se quer agarrar, agarre! Se quer beijar, meta a lingua! Se quer........

¬¬
macaquinho bobo...

la increible aventura disse...

não sei responder, mas creio que seja um trauma dos tempos dos 17, quando tive uma namorada e tudo foi por água abaixo ;p