quinta-feira, 31 de julho de 2008

a mudança, explosões de cabeças e criação de álibis

hoje eu percebi, mais intensamente do que nunca, o que significa a mudança de humor. ao acordar, me deparei com a vontade de não estar... de simplesmente estar lá, e não aqui. agora, estou aqui. satisfeito. sou um grande comodista. presenciei também, agora como espectador externo, a cobrança, a vergonha, o sorriso falso, a vontade de puxar uma arma e explodir a cabeça do homem lateral. é tudo questão de poder, não? uns podem, pedem, mandam. outros dizem "não fui eu", "ah, foi mesmo..." e realizam o desfecho com o tal sorrisão. são esses que, se armados, matariam um monte de gente. e tem gente que merece morrer, nem que seja por alguns minutos. eu mesmo sei que já fui alvo de várias ameaças-imaginárias e, nossa, como devo ter sofrido nelas. com razão, admito. nada como a consciência pesando ainda mais a consciência... dizem que sou grosso, sei que sou - a minha barba, quando grande, reforça essa idéia - mas, pior que o dito, é o saber-disso-e-não-poder-mudar. como sou precavido, aconselho aos novatos: "esse é meu jeito, me aceite". ótimo. crio um álibi antes de mais nada, enquanto me preparo para o "eu avisei". ótimo.

Um comentário:

olavo disse...

por isso, o bom é ver tv com o barulho do mar 'incomodando' e os gatos comendo o resto da salada de batata com maionese mesmo...

nem discuto mais comigo mesmo... só pra dar em merda, rapaz

don't stop